Planalto e PT veem cerco se fechando

Assessores não contém o sentimento de que todo este processo da Lava Jato acaba por desestabilizar o governo
A prisão dos executivos das empreiteiras Odebrecht e Andrade Gutierrez trouxe preocupação ao Palácio do Planalto. Apesar da intenção dos assessores em manter a presidente Dilma Rousseff afastada do estrago provocado pela Operação Lava Jato e de suas consequências, o sentimento é que todo este processo acaba por desestabilizar o governo, que já se encontra sob ataque de vários setores e sofrendo com baixa popularidade. A preocupação não envolve só o governo Dilma, mas também o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, considerado por petistas “o alvo” da Lava Jato. Nos bastidores, ministros avaliam que, mesmo com a Polícia Federal mirando em Lula, não há como o escândalo não respingar em Dilma. A nova crise atinge a tentativa do Planalto de emplacar uma agenda positiva. Além disso, o governo teme que, com a prisão dos executivos das maiores empreiteiras do País, obras sejam paralisadas e o desemprego aumente. O presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, foi visto muitas vezes no Planalto, durante o governo Lula, e em inúmeras viagens do ex-presidente a África. Ele também acompanhou Lula a Cuba, onde a empresa está à frente da construção do Porto de Mariel. Desde 2011, Dilma se reuniu pelo menos cinco vezes, oficialmente com Marcelo Odebrecht. O último encontro foi há menos de um mês em 26 de maio, no hotel Intercontinental, na Cidade do México. Marcelo teve deferência especial por coordenar o encontro empresarial que Dilma prestigiou. Marcelo sempre foi próximo dos petistas. Mas, pelo porte da empreiteira, mantém bom trânsito e fez doações eleitorais a outros partidos. O mesmo ocorre com a Andrade Gutierrez. Ontem (19), antes de embarcar para Camaçari (BA), a presidente recebeu o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, no Palácio da Alvorada. Cardozo a informou sobre a nova etapa da Lava Jato e não houve surpresa com as prisões. Mais tarde, já em Brasília, Dilma chamou o ministro para nova reunião.
Estadão Conteúdo
Compartilhe no Google Plus