Líder do PPS diz que clima do impeachment “vai se criando”


Líder do PPS na Câmara, deputado federal Rubens Bueno (PR
O líder do PPS na Câmara, deputado federal Rubens Bueno (PR), comentou nesta terça-feira, 7, as declarações da presidente Dilma Rousseff de que não há possibilidade de renúncia ao cargo e disse que a fala de Dilma mostra que “algo grave está acontecendo”. “Quando a presidente vai a imprensa dizer que não cai, não cai, ela deixa dúvidas a todos, porque ninguém falou que ela está caindo”, disse. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, a presidente rechaçou rumores sobre uma possível renúncia ou impeachment. “Eu não vou cair. Eu não vou, eu não vou. Isso aí é moleza, é luta política” disse a presidente. Para Bueno, o “clima” do impeachment “vai se criando naturalmente”. Ele destacou que o Tribunal de Contas da União está analisando as “pedaladas fiscais” e criando condições jurídicas para que as contas do governo sejam rejeitadas. “E tem o TSE trabalhando de outro lado com outra medida judicial em relação à campanha”, disse. “Isso, evidentemente, vai criando as condições para que de repente esse impeachment seja inevitável.” A liderança do PPS divulgou uma nota nesta terça-feira em apoio “irrestrito” à equipe da Lava Jato, citando o juiz Sérgio Moro e o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello. “Diante de ataques e tentativas de intimidação que partem do PT, de parlamentares do partido e da própria presidente Dilma Rousseff, a bancada do PPS na Câmara reitera seu integral apoio ao trabalho realizado pela Polícia Federal, Ministério Público e Justiça Federal no âmbito a Operação Lava Jato, que vem desvendando o maior esquema de corrupção já registrado no país”, diz o texto
Estadão Conteúdo
Compartilhe no Google Plus