TEMER RECUA NA DEFESA DE TRIBUTO DOS COMBUSTÍVEIS

RECLAMAÇÕES SURGIRAM DO BAIXO CLERO À CÚPULA DO PMDB
AS RECLAMAÇÕES SURGIRAM DE TODAS AS PARTES, DO BAIXO CLERO À CÚPULA DO PMDB (FOTO: ED FERREIRA/ ESTADÃO)
A repulsa do Congresso a qualquer tipo de aumento de imposto obrigou nesta terça-feira, 8, o vice-presidente Michel Temer a voltar atrás na ideia de apoiar o aumento da Contribuição de Intervenção sobre o Domínio Econômico (Cide). As reclamações surgiram de todas as partes, do baixo clero à cúpula do PMDB.
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), contou ao Estado que ligou para Temer no meio da tarde para fazê-lo mudar de opinião. "Com argumentos técnicos, defendi que o aumento da Cide não era bom."
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), também criticou a ideia. "Continuo achando que primeiro é preciso cortar despesas, reduzir ministérios, extinguir cargos em comissão", afirmou.
Temer teve de se explicar, inclusive, a um pequeno grupo de deputados do chamado baixo clero. O telefonema foi presenciado por cinco parlamentares que acompanhavam o vice-líder do PMDB na Câmara, Carlos Marun (MS). Grande parte da bancada está irritada também com o líder Leonardo Picciani (PMDB-RJ), que chegou a defender volta da CPMF. (AE)
DIÁRIO DO PODER
Compartilhe no Google Plus