Brasil é país com mais gestações não planejadas

Resultado de imagem para gestação não planejada
Mais da metade das gestações não é planejada no Brasil, segundo a Federação das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Um dos motivos é bem simples: as mulheres esquecem de tomar o anticoncepcional. O que levou o país para topo de uma pesquisa.
Aos 16 anos, os estudos e a diversão da auxiliar administrativa Fabiana Chagas foram interrompidas pelo susto da primeira gravidez. Nove anos depois, ela tomava pílula anticoncepcional, mas foi traída pela própria memória. “Esquecia com muita frequência, principalmente quando chegava final de semana”.
Esse esquecimento que gera tantas consequências coloca o Brasil no topo de um ranking mundial. Entre sete países pesquisados as brasileiras são as que mais esquecem de tomar a pílula. Enquanto a média mundial ficou em 39% no Brasil está muito acima: 58% das entrevistadas disseram ter esquecido de tomar o anticoncepcional ao menos uma vez no último mês.
A pesquisa ouviu mulheres de 20 a 35 anos, entre os principais motivos para o esquecimento estão a falta de horário fixo para tomar a pílula (32%), não deixar o remédio em lugar visível (21%) e estar estressada (20%) ou com a agenda cheia (17%). Outro erro grave das jovens por aqui é dispensar a camisinha quando toma pílula. Só 6% associam os dois métodos. “A principal função é evitar DSTs. Ás vezes a mulher está tomando a pílula, relaxa em relação a evitar uma DST e pode adquirir uma DST”, explica o ginecologista Afonso Nazário.
Além do uso da camisinha sempre, a Organização Mundial da Saúde e várias sociedades médicas passaram a recomendar o uso dos chamados anticoncepcionais de longa duração para adolescentes e jovens. São métodos como o implante de contraceptivo e o DIU. “Mesmo uma mulher com 15, 20 anos, usar o DIU de cobre mesmo não tendo nenhum filho, lhe asseguro: o risco de infecção é muito baixa”, garante o ginecologista. Pelo SUS só estão disponíveis as injeções mensais ou trimestrais.
Compartilhe no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário