Policiais baianos mataram 299 pessoas no estado em todo ano passado

Resultado de imagem para pm bahia

Ao longo de todo o ano de 2015, 299 pessoas morreram na Bahia em decorrência de intervenções policiais. O estado é o terceiro do Brasil em letalidade policial, ficando atrás somente de São Paulo (848) e Rio de Janeiro (645). Os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado parcialmente nesta sexta-feira (28) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O documento completo será apresentado na próxima quinta-feira (3). 

Também segundo dados do Anuário, 19 policiais morreram na Bahia em 2015 – foram 16 fora de serviço em três trabalhando. O número é menor do que em 2014, quando 27 policiais foram assassinados fora de serviço e três durante o expediente. O anuário não divulga a taxa. O número de mortes decorrentes de intervenção policial no ano passado (299) também caiu com relação a 2014, quando foram contabilizados 278 homicídios do tipo.

Ao todo, a Bahia registrou 6.338 Mortes Violentas Intencionais (MVI) em 2015, ocupando o primeiro lugar no ranking nacional. Procurada, a Secretaria estadual da Segurança Pública (SSP) questionou os números levantados pelo anuário e ressaltou a necessidade de padronização da contagem de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) no Brasil "para que não sejam produzidos rankings distorcidos". "Comparar os estados nordestinos, inclusive a Bahia, que não utiliza a categoria 'mortes a esclarecer', com federações que utilizam essa nomenclatura é desigual", disse a pasta, em nota. 

A SSP destacou, ainda, que as divergências de metodologia "induzem a um erro grosseiro, que expõe os estados transparentes na divulgação dos dados e protege àqueles que utilizam de subterfúgios que mascaram a realidade das grandes metrópoles".

A secretaria sustenta que há estados que contabilizam chacinas como um crime único, enquanto a Bahia considera cada morte um crime diferente. "A SSP-BA entende que enquanto não houver a padronização na metodologia utilizada na contagem, não há como fazer comparativos fieis à realidade", completa a pasta.
Compartilhe no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário