Funcionários da Maternidade entram em greve; Salários a mais de 2,4 meses em atraso

Funcionários paralisaram as atividades por falta de salários.
Funcionários da Fundação Aurelina Virgília Fair (Maternidade), entraram em greve na manhã desta quinta-feira (09), por falta de pagamento salarial. De acordo os funcionários, a entidade está com 2,4 meses em atraso que vem se arrastando há vários meses. Ainda de acordo informações, além dos funcionários e médicos, a entidade deve também aos fornecedores, que devido o atraso estão impossibilitados de fornecer quaisquer mercadorias. "Aqui tá uma vergonha, pra se ter uma ideia do descaso, não estão pagando (fornecedores de tempero, pães, etc), as coisas mais simples, imagine as demais", disse um funcionário. Dois vereadores estiveram presentes para acompanhar esta reportagem e disseram que vai entrar com um pedido no Ministério Público, propondo uma auditoria na entidade, pois não justifica tal fato, uma vez que o pagamento (Repasse), até dezembro/2016, referente a gestão anterior está rigorosamente em dia. Vale lembrar que a Maternidade têm débitos também com o INSS e Justiça do Trabalho, conforme certidão (Veja Aqui)

EM TEMPO

REUNIÃO ENTRE FUNCIONÁRIOS DA MATERNIDADE, SINDICATO DA CLASSE E SECRETARIO DE FINANÇAS
Funcionários se reuniram na Câmara Municipal
Em reunião na Câmara Municipal, nesta quinta-feira (09), funcionários da Maternidade, Sindicato da categoria e Secretário de Finanças, discutiram o assunto no sentido de fazer um acordo para os funcionários voltarem a trabalhar, mas infelizmente não houve o acordo porque a Maternidade não deu garantia do pagamento dos salários atrasados, que somam 2,4 meses. Vale lembrar que o presidente da entidade não compareceu na reunião.

Informações do Tesouras Notícias
Compartilhe no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário