Moagem de cacau é a pior em sete anos

Reprodução
Ainda que muitos considerem o chocolate um item essencial, a verdade é que ele pode ser rapidamente tirado da lista de compras em tempos de vacas magras. E a atual anemia do mercado interno, que se agravou ano passado com a corrosão da renda e o aumento do desemprego, reverberou na atividade da indústria processadora de cacau, que em 2016 moeu o menor volume de cacau em sete anos.
As quatro maiores companhias que atuam no segmento no país - Barry Callebaut, Cargill, Olam e Indeca -, que representam 95% da moagem brasileira e são representadas pela Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC), moeram no ano passado 216 mil toneladas da amêndoa, queda de 1% ante o volume de 2015. São quatro anos seguidos de queda.
O processamento só foi menor que o do ano passado em 2009, quando as mesmas indústrias processaram 207 mil toneladas de cacau. Na época, o segmento ao redor do mundo acusava o golpe da crise financeira global.
O desempenho das indústrias brasileiras destoou do comportamento das companhias em outros cantos do mundo. Elas fecharam 2016 com volumes maiores de cacau processado do que no ano anterior, ainda que, em geral, o crescimento tenha sido modesto, conforme dados divulgados por associações regionais do segmento.
Na Europa, que abriga o maior parque processador de cacau do mundo, a moagem cresceu 1,5%, para 1,344 milhão de toneladas. A Ásia processou 651 mil toneladas, alta de 9%. Já na América do Norte, o processamento cresceu apenas marginalmente, para 485 mil toneladas.
O cenário de uma demanda mais aquecida no exterior acabou sendo um alento para as indústrias que atuam no Brasil. "A moagem só não caiu mais porque conseguimos aumentar a exportação", afirmou Eduardo Bastos, diretor executivo da AIPC.
Em um movimento que cresce há alguns anos, o embarque brasileiro de subprodutos de cacau avançou 6% no ano passado e somou 87 mil toneladas, conforme dados do Agrostat, serviço de estatísticas de comércio exterior do Ministério da Agricultura. Desse volume, 30 mil toneladas foram de manteiga de cacau, principal derivado produzido pela indústria nacional - 13% mais quem em 2015. Os embarques de pasta de cacau subiram 3%, para 7,8 mil toneladas.
Para Bastos, da AIPC, as exportações devem continuar representando uma fatia crescente das vendas das indústrias processadoras. "Vai depender muito dos desdobramentos geopolíticos. Mas há oportunidade de negociação com México, por exemplo. Se os Estados Unidos apertarem mais o México, pode ser oportunidade bilateral nossa com eles. Se [Donald] Trump apertar mais a Europa, isso também pode ser uma oportunidade para nóes", avaliou o dirigente.
Quanto aos Estados Unidos, segundo principal destino das exportações de derivados de cacau das indústrias brasileiras, ele não vê risco de medidas que possam impactar os embarques nacionais. Em 2016, o país proporcionou às indústrias brasileiras uma receita de US$ 119 milhões em importações de derivados de cacau, quase um terço de toda a receita das exportações nacionais, que somou US$ 388 milhões.
Apesar da perspectiva promissora vinda do mercado externo, Bastos ressalta que também é importante fortalecer as vendas ao mercado interno. "Estamos esperando a estimativa da indústria de chocolate para a Páscoa, mas a priori é boa", sustentou. Fonte: Valor

Mercado do Cacau
Compartilhe no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário